24.10.05

CLARO QUE PULOU!

O menino só fez estender a mão,
Ela tinha medo... Tanto tempo coberta naquela coberta, manta que chamava si mesma que não sabia mais o que era aquilo que estava na sua frente... Era uma estrada em curva que se assemelhava a um ponto de interrogação.

Mas você já viu mesmo um ponto de interrogação?

Para chegar naquela estrada precisa tomar coragem para pular o espaço que existe entre aquele pinguinho e aquela primeira reta, E pra que isso?

Tinha uma curva logo depois! E pra onde ia?

Aquela manta era confortável e quentinha! Iria sair de dentro si mesma? Era tão complicado, arriscar aquilo tudo! Mas não tinha espaço pra duas pessoas no pingo do ponto de interrogação.

Abriu uma frestinha e viu. O menino continuava com a mão estendida.
-"Venha, vamos descobrir o que tem lá na frente?"

Ela era corajosa, mas tinha medo do que fugia daquela mente que sabia matematicar as coisas... Mas era estranho, os números de sua cabeça também diziam para que pulasse.

Pulou.

"CLARO QUE PULOU!"

4 comentários:

Olhos Clínicos disse...

Amei a visualização do ponto de interrogação!
Claro que pulou. E só tem sido feliz por isso. Ela sabia que o caminho da verdade, aquele que exige coragem era e é o melhor caminho.
Não é a toa que até os matemáticos procuraram a matemática do amor...

Sem dúvida, esse foi o melhor escrito!

Eu amo você e prefiro assim, caminhar de mãos dadas pelas curvas a me contentar com uma delas estendida. Tenho acertado nos meus cálculos.

Marcelo Soli disse...

ela tinha mesmo que pular!
Quando o pingo de interrogação passa a ser pequeno...é preciso arriscar...

valeu empirico!

Suka disse...

Ai que foda! Narebandalf tá apaixonado, tá amando!!! Olhaaaaaaaaaaaa!!!!
Vocês são um casal belíssimo!

kitsune disse...

texto muito bem montado!!! conexão perfeita entre os parágrafos!! poesia fluindo!! ..... e rasgação de sedaaaaaaa!! rsrsr