30.6.05

Do que deve ser escrito Capítulo Parte 15

Alguns diriam que este empiríco seria o pior tipo de analfabeto, e talvez até seja. Meu conhecimento político beira a zero, se alguém que ler isso aqui achar que tem alguma metáfora no que eu disse, eu concordarei, mas a metáfora não esta no "zero", mas sim no "beira". Conheço toda a importância de conhecimento político. Se queremos alguma potência de mudança temos que conhecer o que é o normal, e bem. Temos que utilizar do conhecimento arma. Concordo com todas essas coisas.
Porém quando meus olhos se deparam com aquela linguagem extremamente monótona e dubitável do texto jornalístico, sinto uma certa ansiedade. Este empírico tem tão pouco tempo graças a essa lógica de mercado atual, tão pouco tempo para ler. E há tanta coisa maravilhosa para ser lido neste mundo... Sim me sinto meio culpado de conhecer pouco de política, e até é um projeto corrigir esse erro- queria ser potência de mudança, mas ultimamente não tenho feito isso.
Agora existe algo que discordo: dizem que a ficção, a fantasia, só servem a distanciar o homem dos problemas mundanos. Parece que tudo que deve ser escrito deve ter uma ligação com o prático, com o funcional. Se o homem fosse só funcional acho que dificilmente não iria se render a lei da sobrevivência cega. Acredito que deva-se escrever sobre tudo. Acredito que o homem deva escrever sobre o real, sobre a sua vida. E se este homem vive entre elfos e duendes, nós só podemos invejá-lo.
A vida pode ser linda aos olhos humanos, e defini-la com números e funcionalidade, como utilitários práticos não seja a forma "real" de retratar essa vida. Não sei, acho que existe espaço para tudo, para números, filosofia, marxismo e até botânica.

Seus olhos estavam quebrados
Tinha escolhido assim

Cada pedaço de uma cor diferente
Cada espaço de tamanho diferente

E era só um olho

6 comentários:

ludmilesca disse...

e quando as coisas devem ser escritas?

O empírico disse...

Devem ser escritas quando se quer escrever.
Devem ser escritas quando se quer dar algo para alguém.
Devem ser ser escritas quando se quer receber algo.
Devem ser escritas quando se precisa dizer algo.

E algo mais...

Mas eu sou apenas um empiríco que pode estar errado...

Anônimo disse...

O olho do cu?

O empírico disse...

Achei bastante apropriado o seu comentário, e não tenho objeção nenhuma a respeito dele. Você parece ter entendido o objetivo perfeito do meu texto, alias posso dizer que o ultrapassou. Uma pessoa inteligente e extremamente sensível no tocante de compreensão das coisas...
Com esse tipo de comentário que percebemos como existem pessoas que não se enquadrem em um perfil medíocre...
Continue assim,
Saudações Cordiais

CATARINA disse...

Aaahhh.. se você quer mesmo ser capaz de mudar algo, não leia política... não, não... nada a ver.. isso é sofística pura. argumentos vazios....vento....(hhhhhhhh)........... quer mudar? tenha uma FILOSOFIA-ÂMAGO, e não tenha medo de expô-la. Seja uma PEDRA E UM MARTELO, SEJA FIRME. Diga não ao ...vazio..., aos novos sohfihhhhstahhhhhhhhhs.

O empírico disse...

Desculpe Catarina, mas apesar de concordar e acreditar que política é vento e palavras vázias.
Esse vento é real, é parte destte mundo. É difícil contra-argumentar algo que não se conheça. E eu não conheço nada desta sofística pura.